Os Efeitos da Crise no Franchising

by Ricardo Guirado
Comments are off for this post.

Ainda vale a pena investir em uma franquia?

Segundo dados da ABF, é possível identificar que antes de atravessar o atual cenário
econômico turbulento em que nosso país se encontra, o franchising brasileiro crescia
facilmente a taxa de dois dígitos, período que compreende 2005 a 2013. Porém, nos
últimos três anos, de 2014 a 2016 o crescimento foi consideravelmente menor.

Se compararmos 2012, onde o crescimento nominal do franchising foi de 20,8% com
o ano de 2016 atingindo “apenas” 8,3%, é natural que possa ser feita a seguinte
pergunta: a crise afetou o franchising?

Duas respostas vem à minha mente: sim e não! Mas, como assim?
Sim… quando analisamos o histórico de mais de dez anos atrás e comparamos com o
momento atual do franchising brasileiro, altamente impactado pela instabilidade
econômica e política. Não… quando comparamos o franchising com outros setores e
principalmente com o PIB, que em 2016 fechou em -3,6%.

Por isso, analisando todos esses números, é possível afirmar que diante de um
cenário econômico tão difícil, o franchising tem demonstrado uma incrível capacidade
de resistência. Claro que alguns efeitos da crise tornaram o franchising bem diferente
do que percebíamos em um passado não tão distante. Gostaria de listar algumas
mudanças impactantes que vale a pena observar:

  • Em 2001, segundo a ABF, o Brasil tinha 600 redes franqueadoras e esse número
    só aumentou chegando a 3073 redes em 2015. Porém, em 2016, pela primeira
    vez em quinze anos, houve uma redução no número de marcas, com o ano
    fechando em 3039 redes franqueadoras. Os efeitos dessa queda, capitaneados
    pela crise econômica, levaram algumas marcas a sair totalmente do mercado
    como redes franqueadoras ou ainda a permanecer somente com unidades
    próprias. Vale destacar que o profissionalismo na gestão da rede, a inovação no
    modelo de negócio e a sintonia com papéis bem estabelecidos entre franqueadora
    e franqueados são temas determinantes para o sucesso de uma marca que
    pretende se manter e crescer no cenário atual. Como resultado disso, muitas
    marcas também fecharam suas portas porque não se adaptaram aos movimentos
    recentes do mercado.
  • As microfranquias, caracterizadas principalmente pelo investimento máximo de até
    R$90.000,00 estão em evidência, chegando a 557 marcas ao final de 2016. Vale
    destacar que muitos novos empreendedores, com capacidade limitada de
    investimento tem optado por essa modalidade que possui ainda como
    características uma operação mais enxuta, simplicidade na gestão e formatos
    diferentes de unidades franqueadas, como quiosques ou ainda como home based
    (trabalho em casa). Vale ressaltar que as microfranquias precisam ser bem
    avaliadas pelos potenciais empreendedores, pois mesmo que sejam modelos mais
    simplificados com menor investimento inicial, a marca franqueadora necessita
    possuir uma boa estrutura, com gestão bastante profissionalizada, oferecendo
    total apoio aos franqueados da mesma maneira que uma rede de franquia normal.
    Muitas microfranquias tem surgido e desaparecido do mercado pela falta de
    formatação e gestão adequada do seu modelo de negócio. É importante estar
    atento no momento de escolher uma marca dentre as diversas opções de
    microfranquias que o mercado oferece.
  • A mortalidade entre franquias também aumentou, passando de 3,1% em 2013
    para 5,1% em 2016, porém, ainda é assustadoramente menor o índice de
    mortalidade se comparado a negócios independentes. Conforme estimativa do
    Sebrae, 33% dos negócios abertos em 2014 fecharam suas portas ao final de
    2016. Por isso, a constatação óbvia é que abrir uma franquia continua sendo bem
    menos arriscado do que abrir um negócio próprio independente. Assim sendo, em
    um momento de turbulência e instabilidade política e econômica, empreender com
    maior segurança é sempre uma opção mais tranquila e acertada.
  • Para 2018 o cenário ainda é de incertezas e preocupações e vale a pena
    acompanhar os indicadores projetados pelos especialistas na área da política e da
    economia. Em relação ao franchising, devido a sua resiliência histórica e com
    base na maior preparação das redes franqueadoras, que aprenderam a lidar com
    a crise, a estimativa de expansão projetada do setor para 2018, segundo a
    Associação Brasileira de Franchising, fica entre 7% a 9%.

Diante desses efeitos gerados nominados acima, ocasionados pelas grandes
mudanças em nosso país, é correto afirmar que o franchising foi, é, e possui grandes
chances de continuar sendo uma das melhores, senão a melhor opção para quem
deseja abrir um o seu negócio. Da mesma forma, continua sendo uma excelente
oportunidade para marcas consolidadas iniciarem sua expansão através da sua
própria rede de franquias.


Quer encontrar a franquia ideal para você?
Deseja saber se sua empresa é franqueável e iniciar a expansão pelo franchising?
O portal franquias99 é empoderado pela The99 Consultores Associados e possui
excelentes profissionais para lhe ajudar!

Comments are closed.